Ecocardiografistas a menos.


1a

.

http://departamentos.cardiol.br/dic/publicacoes/revistadic/revista/2015/portugues/Revista02/06-original82.pdf

.

Parece que apenas o estado de SP têm um número adequado de centros formadores.

MG e RJ poderiam ter mais.

Estados do Nordeste certamente estão em desvantagem.

.

Esse é um tema importante e pouco abordado.

A formação local de ecocardiografistas ocuparia as posições necessárias e forneceria os exames com laudo que são indispensáveis.

.

Somos a favor de uma formação intensiva que possa trazer professores de outros estados para atuarem em escolas de ecocardiografia nas regiões de baixa oferta de formação.

.

O modelo atual de estágio não remunerado e extenso, de até 2 anos de dedicação integral, é inviável nacionalmente.

.

 

 

2 comentários em “Ecocardiografistas a menos.

  • Há 20 anos atrás , a ecocardiografia parecia ser uma escolha lógica para o cardiologista ao terminar a residência; era um exame que fornecia as informações necessárias, sem o perigo da radiação, muito interessante de fazer a aprender a fisiopatologia. Hoje com a atual remuneração, a tendência e de que aos poucos os cardiologistas abandonem o aprendizado e migrem para outras áreas, o que associado a proliferação de escolas médicas , relegará o eco para médicos desqualificados que aceitam mais baixa remuneração ainda. Futuro complicado a frente….vamos ver!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s