Vórtices: Chegando de verdade


echo13732-fig-0001

.

http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/echo.13732/full

.

he aim was to analyze left ventricular (LV) fluid dynamics in dilated cardiomyopathy (DCM) by using echocardiographic particle image velocimetry (E-PIV).

.

Conclusion

E-PIV can effectively and quantitatively evaluate LV fluid dynamics in patients with DCM. LV fluid dynamics and LV systolic function interact with and affect each other

.

A vortex is formed when blood flow impacts the mitral valve.[5] It allows smooth redirection of flow toward the left ventricular outflow tract (LVOT) during systole, which can prevent excessive velocity gradient and reduce excessive impact on the left ventricular (LV) wall. In addition, a vortex produces a kinetic energy reservoir, which facilitates the propulsion of blood during systole.[6] A vortex can possess kinetic energy and avoid excessive dissipation of energy by limiting flow separation and instability.[7] This increases cardiac efficiency by maintaining the momentum of inflowing blood during diastole, thereby facilitating the systolic ejection of blood into the LVOT.[8-10] In the early filling period, the high-speed blood flow in the mitral valve orifice possesses great kinetic energy. With vortex occurring, the kinetic energy is converted into potential energy in the vortex, and then the potential energy in vortex is transformed into kinetic energy during the ejection period. Thus, the vortex produces a kinetic energy reservoir, enhancing the velocity of blood flow in the LVOT, thereby facilitating the propulsion of blood during systole and avoiding considerable losses of kinetic energy. The contribution of maladaptive fluid mechanics to cardiac inefficiency and its participation in the modulation toward phenotypic patterns of heart failure are increasingly being recognized.[11] Therefore, LV fluid dynamics needs to be elucidated.

.

“Google”

Um vórtice é formado quando o fluxo sanguíneo afeta a válvula mitral.
 [5] Permite o redirecionamento suave do fluxo em direção ao trato de saída
 do ventrículo esquerdo (LVOT) durante a sístole, o que pode evitar o
 gradiente de velocidade excessivo e reduzir o impacto excessivo na
 parede do ventrículo esquerdo (LV). Além disso, um vórtice produz
 um reservatório de energia cinética, o que facilita a propulsão do 
sangue durante a sístole. [6] Um vórtice pode possuir energia cinética
 e evitar a dissipação excessiva de energia, limitando a separação e a 
instabilidade do fluxo. [7] Isso aumenta a eficiência cardíaca, mantendo 
o impulso de fluxo de sangue durante a diástole, facilitando assim a 
ejeção sistólica do sangue para o LVOT. [8-10] 
No período de enchimento inicial, o fluxo sanguíneo de alta velocidade 
no orifício da válvula mitral possui uma grande cinética energia. 
Com o vórtice ocorrendo, a energia cinética é convertida em energia 
potencial no vórtice, e então a energia potencial no vórtice é transformada
 em energia cinética durante o período de ejeção. Assim, o vórtice produz
 um reservatório de energia cinética, aumentando a velocidade do fluxo
 sanguíneo no LVOT, facilitando assim a propulsão do sangue durante a 
sístole e evitando perdas consideráveis ​​de energia cinética. 
A contribuição da mecânica de fluidos inadequados para a ineficiência 
cardíaca e sua participação na modulação em relação aos padrões
 fenotípicos de insuficiência cardíaca são cada vez mais reconhecidas. 
[11] Portanto, a dinâmica dos fluidos LV precisa ser esclarecida.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s