O sacrifício dos jalecos brancos

O jornal Estado de São Paulo revela o sacrifício italiano de profissionais de saúde que sucumbiram ao COVID-19

Colocar um profissional formado na linha de frente sem a proteção adequada é uma estratégia equivocada.

Fora o aspecto humano, são pessoas difíceis de repor.

A formação mínima exige de 4 a 6 anos, dependendo do curso, pensando em enfermagem, fisioterapia, medicina…

Não se trata de fugir à responsabilidade no momento crítico.

É uma questão de gestão de recursos humanos fundamentais.

Governantes não se importam com perdas em situações de guerra

Mas especialistas em situações críticas nunca colocam a tenda médica à frente da artilharia.

Deixe uma resposta