Ecocardiografia na SOCESP 2008

O Professor Dr. Jorge Eduardo Assef, chefe da Seção de Ecocardiografia do IDPC e ex-presidente do Departamento de Ecocardiografia da SBC, participará da seção Evolução da Ecocardiografia: Complexidade do Treinamento. “Dentre os métodos diagnósticos em Cardiologia provavelmente nenhum desempenha papel tão relevante na atualidade como a Ecocardiografia”, pondera o médico.

Sua evolução, ao longo das últimas décadas, foi acentuada, sendo utilizada atualmente como ferramenta poderosa nas mãos de cardiologistas clínicos. Suas informações precisas permitem o manejo correto dos pacientes. A evolução nas modalidades do exame, desde o Modo M ao Eco Tridimensional, associada às novas tecnologias, tem tornado cada vez mais popular sua utilização, o que gera preocupação quanto à formação dos ecocardiografistas.

O Dr. Assef observa que muito embora algumas diretrizes já tenham sido publicadas neste sentido – normatizar o treinamento de cardiologistas que pretendem ser ecocardiografistas -, nem sempre as mesmas são seguidas. “Assim, devemos manter vigia e cobrança constantes para que um exame de importância capital seja realizado e interpretado por profissionais capacitados”, finaliza.

hummm, sei, entendo o que quer dizer, senhor ex-presidente do DEPECO.

Make Money or Make Difference

Sexta passada fui cobrir um colega que desmarcou alguns exames em uma clínica de foco “popular”, bem simples.
Aparelho ATL Apogee e 9 casos do SUS ou similares.
Em 6 exames tive certeza de ajudar o médico solicitante no tratamento, em 3 acredito que mudei seu diagnóstico inicial.
Dei o laudo completo com 9 fotos acompanhado de explicações aos pacientes.
Quando faço exames na clínica classe A do centro, preciso de 20 ou mais casos para ser útil em 1.
Pensei em trocar de lugar com o jovem ecocardiografista, mandá-lo para o fácil e ficar aqui onde posso ser mais útil.
Como em toda medicina brasileira, a maioria dos médicos bem capacitados não atende os pacientes muito necessitados…

As placas de todos nós.


Foto de uma placa ulcerada na carótida comum de um paciente de 62 anos, hipertenso e dislipêmico.
As placas existem em grande quantidade em todas as artérias após os 35 anos.
Elas crescem e rompem ou rompem e crescem?
Parece que rompem e crescem na maioria das vezes( crescimento em saltos)
Uma placa com a acima solta 50 êmbolos por dia, todos os dias, em uso de AAS.

Não esqueça do VD!!!!

Quem sabe encontrar os segmentos do ventrículo direito?
O esquema acima ajuda bastante.
Na íntegra AQUI
Desde pesquisas com Doppler do anel tricúspide do Osvaldo UETI , até definições da anatomia e função, precisamos saber mais sobre esse ventrículo esquecido, assim trataremos melhor um infarto de VD, por exemplo.

Espessura Relativa

Parece que a maioria dos leitores sabe usar e usa a espessura relativa para avaliação da geometria.
Relembrando:

A associação da massa e da espessura relativa da parede do ventrículo esquerdo (ERP) estabelece três padrões geométricos:
1. Hipertrofia concêntrica – massa e EPR aumentados; é o que parece relacionado
com maior risco cardiovascular;
2. Hipertrofia excêntrica – massa aumentada e EPR normal;
3. Remodelamento concêntrico – massa normal e EPR aumentada.
Eu gosto mais de estudar os tempos ao doppler, mas não deixo de usar o ER!

PROVA DO TÍTULO

Fazendo um exame em um aluno da física da UNICAMP, ele comentou sobre as dificuldades nas matérias básicas como cálculo, onde ele têm que decorar fórmulas matemáticas inteiras.
Comentou que na medicina estaria livre dessa tarefa…
Em termos, prestando a prova do título de ecocardiografista não!
Pedem fórmulas como se fosse rotina do ecocardiografista…
Na faltas de boas idéias para uma prova difícil mas com sentido, apelam para as fórmulas decoradas!
Um aluno teve as fórmulas questionadas na prova prática em SP!!???!!!
Fontes afirmam que a atual presidente, Marcia, quer mudar esse absurdo.
Acredito muito nela, há anos.
Vamos esperar pra ver.

Novo aparelho de ECO

95% dos leitores deste blog pretendem comprar um novo aparelho de ECO.
55% querem um fixo, 35% preferem um portátil e os restantes preferem um transportável.
Para mim, o my lab 30 é o aparelho transportável por definição.
Como nos carros, grandes empresas dominam a fabricação, seguidos de longe por outras empresas alternativas.
Siemens, GE, Phillips e Toshiba são as gigantes, Esaote, Aloka, Medison, Shimatzu e Sonosite correm por fora.
Dolar hoje: 1,735 reais.
Você vai esperar baixar mais??!!??!!
Boas compras!!!!