PROLAPSO AINDA QUE TARDIO

.
O prolapso da valva mitral é uma deformação do anel.
Ao contrair, o ventrículo traciona o anel mitral com uma resultante oblíqua, em direção a 70% da distância anel-ápice.
Essa tração deforma o anel e reduz o diâmetro transversal, tornando a cúspide redundante e frouxa durante a mesotele-sístole.
Daí, a pressão do ventrículo prolapsa a cúspide.
Isso explica a maior incidência de prolapso na cúspide posterior, mais relacionada ao anel ( Relação diâmetro-inserção no anel).
Também pode elucidar as arritmias e anginas, dada a liberação de adenosina que ocorre na deformação do anel.
Dá uma boa pista da resposta surprendente ao betabloqueador.
Fica evidente nos casos de Marfan, onde o anel é mais frouxo, como a raiz da aorta que dilata!
Cabe direitinho na prevalência da doença, mais comum em jovens, e diminui com a idade pois com a idade aumenta a rigidez do anel mitral que pode evoluir até a calcificação.
Bom, é uma teoria.

Medico e Empresário


.
Como transformar um consultório ou clínica em um bom negócio?
A maioria dos médicos não tem formação em gestão.
Acredita no ato médico como gerador de renda e pronto.
Isso funcionou muito bem antes dos convênios e a massificação da medicina.
Trabalho com um cardiologista de 78 anos que conta as histórias da antiga medicina, pré-convênios.
Agora está diferente. Como o ganho por ato médico é menor, foi necessário ampliar o número de atos por mês.
Aumento de volume de atendimento, tentando manter a qualidade. Mas qualidade custa tempo e dinheiro, que desperdiçados, tornam a empresa inviável.
Médicos isolados se uniram em clínicas para dividirem os custos, mas agem como se estivessem em seus consultórios separados.
Isso não ocorre em empresas, mesmo o português da padaria sabe que a empresa têm que ser lucrativa!
E parte do lucro têm que ser guardado para investimentos, ou no mínimo, manutenção da estrutura.
Recentemente me foi oferecida(para meu sócio Guilherme também) a gestão de 3 clínicas
Parecia um bom negócio, até eu conhecer de fato as estruturas.
O dono havia retirado todo o lucro nos últimos 5 anos, a empresa estava sucateada!
Funcionários sem treinamento adequado, computadores com defasagem de 10 anos, manutenção ausente, aparelhos velhos e necessidade urgente de uma reforma.
A empresa gerava 15 mil de lucro mensal, mas precisava de pelo menos 10 mil por mês em investimentos para voltar a ser um bom negócio.
Como uma empresa que faz 500 ecos por mês foi parar nesse buraco?
A resposta ajudaria centenas de clínicas pelo país, mergulhadas na ausência de gestão administrativa.