Em 2015 o Strain de repouso vai substituir o Ecoestresse?


1a

.

Sebastian I. Sarvari, MD; Kristina H. Haugaa, MD, PhD; Wasim Zahid, MD; Bjørn Bendz, MD, PhD; Svend Aakhus, MD, PhD; Lars Aaberge, MD, PhD; Thor Edvardsen, MD, PhD

.

http://imaging.onlinejacc.org/article.aspx?articleid=1677808

.

Talvez os leitores do blog e os aliados da ecocardiografia em todo o mundo não tenham dado a devida atenção ao artigo acima, publicado em 2013.

.

The absolute differences between endocardial and epicardial TLS and GCS were lower in patients with significant CAD (Δ2.4 ± 3.6% and Δ6.7 ± 3.8%, respectively) than in those without significant CAD (Δ5.3 ± 2.1% and Δ10.4 ± 3.0%; p < 0.001). This reflects a pronounced decrease in endocardial function in patients with significant CAD.

.

Todos que estudam imagem e coronariopatia sabem que na coronariopatia significativa as alterações ao repouso já existem e podem ser detectadas.

.

Por que só fazemos diagnóstico com o estresse físico e famacológico?

Para aumentar as distorções da isquemia ao repouso e aparecerem em nosso aparelhos míopes.

.

Contratilidade é uma função de alto consumo energético local e lesões acima de 70% afetam o fornecimento já no momento de repouso.

.

O Strain dividido por áreas e cortes pode detectar diferenças de contratilidade entre as lâminas de contração.

.

Somos os maiores defensores do esforço físico para detecção de isquemia ao ecocardiograma mas estamos nos preparando para aposentar a bicicleta e ligar o STRAIN.

.

5 comentários em “Em 2015 o Strain de repouso vai substituir o Ecoestresse?

  • Strain de repouso e otimo mais nunca vai substintuir o e o stress pena que a realização de Strain no pico de stress e quase inviável , a começar pela frequência
    o Strain altera antes das alterações de espessamento sistólico observável pelo bidimensional mais ainda e cedo para compracoes

    • Ao esforço tudo fica mais fácil de perceber, apesar do STRAIN ao esforço apresentar dificuldades técnicas atuais. Mas a idéia de detectar ao repouso, casos mais significativos, pode ser uma ferramenta inestimável no pronto socorro.

  • O artigo do Prof. Thor é muito bom, desde que a SCAssST altere o ECG. Ele não seleciona indivíduos , por ex, com precordialgia típica e ECG normal. Talvez, a associação do Strain com Eco de esforço tenha um poder maior. Portanto, acho que o Strain ainda não substituíra o Eco de esforço na estratificação coronariana ambulatorial, eletiva. O prof.Thor é poderoso, mas não tanto…..

    • Concordo que é cedo e o artigo revela estudo selecionado. Mas alguns estudos de contraste de microbolhas e agora com STRAIN revelam alterações ao repouso que eram desconhecidas. Particularmente acredito que ao repouso já temos alterações significativas, falta melhorar os métodos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s