Endocardite: Quando o Eco não é determinante, outros métodos avançam. Culpa do ecocardiografista de 3 botões.


1a

.

Cardiac imaging in infectious endocarditis

.

http://eurheartj.oxfordjournals.org/content/35/10/624?ijkey=8d1cdeb73558aefd6b2bacc5058422e471ccd410&keytype2=tf_ipsecsha

.

Este blog defende que um bom transtorácico, feito com atenção e mudança de transdutores, pode revelar a maioria das endocardites com suspeita razoável clínica.

Mas o ecocardiografista têm que se esforçar mais. Usar o Zoom nas válvulas, transdutores de criança e cine loop. 

É um exame que têm que chegar aos limites da máquina e do usuário.

.

Nada de um exame de 15 minutos e 3 botôes (Profundidade, ganho, Doppler)!!!

.

Também defendemos o uso inquestionável do transesofágico na dúvida que persiste após o transtorácico.

.

Outros métodos, são de uso raro.

.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s