Só o 3D pode nos diferenciar.

https://youtu.be/_JzI_Mt2bTU

.

Podemos seguir dois caminhos

1- Abraçarmos a imagem cardiovascular como uma irmandade gerenciada por bondade e cooperação. Caminharmos na sombra da RM e Tomo, aceitando o papel de método de triagem e deixando para o radiocardiologista os casos que requerem informações mais detalhadas e tecnicamente avançadas

Não é tão ruim assim, ganharemos no volume e na disseminação do método.

Ficaremos um degrau acima do clínico emergencista na técnica, mas teremos nossas agendas lotadas de exames básicos e rápidos.

2- Encararmos de frente as outras modalidades através do Strain e 3D.

Investirmos nos exames de alta qualidade com informações exclusivas que só o 3D oferece, aliado ao Strain.

Iremos para a competição entre métodos nos modos avançados da imagem cardiovascular, com respeito ao paciente mas sem hierarquia entre os métodos

.

.

Nós já decidimos seguir a segunda opção

.