Eco na Dissecção

The current role of echocardiography in acute aortic syndrome

https://erp.bioscientifica.com/view/journals/echo/6/2/ERP-18-0058.xml

.

Acute aortic syndrome (AAS) comprises a range of interrelated conditions caused by disruption of the medial layer of the aortic wall, including aortic dissection, intramural haematoma and penetrating aortic ulcer. Since mortality from AAS is high, a prompt and accurate diagnosis using imaging techniques is paramount. Both transthoracic (TTE) and transoesophageal echocardiography (TEE) are useful in the diagnosis of AAS. TTE should be the first imaging technique to evaluate patients with thoracic pain in the emergency room. Should AAS be suspected, contrast administration is recommended when images are not definitive. TEE allows high-quality images in thoracic aorta. The main drawback of this technique is that it is semi-invasive and the presence of a blind area that limits visualisation of the distal ascending aorta near. TEE identifies the location and size of the entry tear, secondary communications, true lumen compression and the dynamic flow pattern of false lumen. Although computed tomography (CT) is the most used imaging technique in the diagnosis of AAS, echocardiography offers complementary information relevant for its management. The best imaging strategy for appropriately diagnosing and assessing AAS is to combine CT, mainly ECG-gated contrast-enhanced CT, and TTE. Currently, TEE tends to be carried out in the operating theatre immediately before surgical or endovascular therapy and in monitoring their results

Google Translate

A síndrome da aorta aguda (SAA) compreende uma série de condições inter-relacionadas causadas pela ruptura da camada medial da parede aórtica, incluindo dissecção da aorta, hematoma intramural e úlcera aórtica penetrante. Como a mortalidade por EAA é alta, um diagnóstico rápido e preciso usando técnicas de imagem é fundamental. Tanto o ecocardiograma transtorácico (ETT) quanto o transesofágico (ETE) são úteis no diagnóstico de EAA. O ETT deve ser a primeira técnica de imagem a avaliar pacientes com dor torácica na sala de emergência. Se houver suspeita de AAS, a administração de contraste é recomendada quando as imagens não são definitivas. O ETE permite imagens de alta qualidade na aorta torácica. A principal desvantagem dessa técnica é que é semi-invasiva e a presença de uma área cega que limita a visualização da aorta ascendente distal próxima. O TEE identifica a localização e o tamanho do rasgo de entrada, comunicações secundárias, compressão verdadeira do lúmen e o padrão de fluxo dinâmico do falso lúmen. Embora a tomografia computadorizada (TC) seja a técnica de imagem mais utilizada no diagnóstico de EAA, a ecocardiografia oferece informações complementares relevantes para seu manejo. A melhor estratégia de imagem para diagnosticar e avaliar adequadamente o EAA é combinar a TC, principalmente a TC com contraste com eletrocardiograma e o ETT. Atualmente, a ETE tende a ser realizada na sala cirúrgica imediatamente antes da terapia cirúrgica ou endovascular e no monitoramento de seus resultados

.

Apesar do uso exaustivo da Tomo para o diagnóstico de Dissecção, o papel do Ecocardiograma continua fundamental no paciente com quadro clínico de Dissecção da Aorta..

.