Eco na Dissecção

The current role of echocardiography in acute aortic syndrome

https://erp.bioscientifica.com/view/journals/echo/6/2/ERP-18-0058.xml

.

Acute aortic syndrome (AAS) comprises a range of interrelated conditions caused by disruption of the medial layer of the aortic wall, including aortic dissection, intramural haematoma and penetrating aortic ulcer. Since mortality from AAS is high, a prompt and accurate diagnosis using imaging techniques is paramount. Both transthoracic (TTE) and transoesophageal echocardiography (TEE) are useful in the diagnosis of AAS. TTE should be the first imaging technique to evaluate patients with thoracic pain in the emergency room. Should AAS be suspected, contrast administration is recommended when images are not definitive. TEE allows high-quality images in thoracic aorta. The main drawback of this technique is that it is semi-invasive and the presence of a blind area that limits visualisation of the distal ascending aorta near. TEE identifies the location and size of the entry tear, secondary communications, true lumen compression and the dynamic flow pattern of false lumen. Although computed tomography (CT) is the most used imaging technique in the diagnosis of AAS, echocardiography offers complementary information relevant for its management. The best imaging strategy for appropriately diagnosing and assessing AAS is to combine CT, mainly ECG-gated contrast-enhanced CT, and TTE. Currently, TEE tends to be carried out in the operating theatre immediately before surgical or endovascular therapy and in monitoring their results

Google Translate

A síndrome da aorta aguda (SAA) compreende uma série de condições inter-relacionadas causadas pela ruptura da camada medial da parede aórtica, incluindo dissecção da aorta, hematoma intramural e úlcera aórtica penetrante. Como a mortalidade por EAA é alta, um diagnóstico rápido e preciso usando técnicas de imagem é fundamental. Tanto o ecocardiograma transtorácico (ETT) quanto o transesofágico (ETE) são úteis no diagnóstico de EAA. O ETT deve ser a primeira técnica de imagem a avaliar pacientes com dor torácica na sala de emergência. Se houver suspeita de AAS, a administração de contraste é recomendada quando as imagens não são definitivas. O ETE permite imagens de alta qualidade na aorta torácica. A principal desvantagem dessa técnica é que é semi-invasiva e a presença de uma área cega que limita a visualização da aorta ascendente distal próxima. O TEE identifica a localização e o tamanho do rasgo de entrada, comunicações secundárias, compressão verdadeira do lúmen e o padrão de fluxo dinâmico do falso lúmen. Embora a tomografia computadorizada (TC) seja a técnica de imagem mais utilizada no diagnóstico de EAA, a ecocardiografia oferece informações complementares relevantes para seu manejo. A melhor estratégia de imagem para diagnosticar e avaliar adequadamente o EAA é combinar a TC, principalmente a TC com contraste com eletrocardiograma e o ETT. Atualmente, a ETE tende a ser realizada na sala cirúrgica imediatamente antes da terapia cirúrgica ou endovascular e no monitoramento de seus resultados

.

Apesar do uso exaustivo da Tomo para o diagnóstico de Dissecção, o papel do Ecocardiograma continua fundamental no paciente com quadro clínico de Dissecção da Aorta..

.

Além do livro. 3D economiza RM e TC.

O livro é muito bom.

Mas compara o 3D com o 2D.

Discordamos cordialmente.

O concorrente do 3D Echo é a RM e TC.

.

Um aparelho 3D moderno e verdadeiro, sem atalhos ilusórios, elimina a necessidade de RM Cardíaca em 99% dos casos.

.

É fato, um software completo de cardiologia para RM custa mais de 200 mil dólares e é PERFEITAMENTE dispensável se existir um aparelho 3D verdadeiro no local, comprado por menos da metade do preço.

.

Anel Mitral para quem só pensa em cúspides

http://imaging.onlinejacc.org/content/10/12/1434

.

Mitral annular disjunction (MAD) is characterized by detachment of the roots of the annulus from the ventricular myocardium to which it would normally be attached. Because the fibrous trigones are densely fibrotic, the base of the anterior leaflet is unaffected and only the area under the posterior leaflet, specifically under P1 and P2 scallops, is affected. There is no detachment of the annulus from leaflets or from atrial wall.

A disjunção anular mitral (MAD) é caracterizada pelo descolamento das raízes do anel do miocárdio ventricular ao qual ele normalmente estaria ligado. Como os trigônios fibrosos são densamente fibróticos, a base do folheto anterior não é afetada e apenas a área sob o folheto posterior, especificamente sob escalopes P1 e P2, é afetada. Não há descolamento do anel de folhetos ou da parede atrial.

Função ventricular em 2019

https://www.mayoclinicproceedings.org/article/S0025-6196(18)30654-2/fulltext

.

Table 

Normal Values for the Assessment of Left Ventricular Function a

ParameterValue
Left ventricular ejection fraction (%)≥52 (males)≥54 (females)
Stroke volume (mL), range70-100
Rate of ventricular pressure rise (mm Hg/s)>1200
Global longitudinal strain (2-D) (%), mean (range)−20 (−15.9 to −22.1)
Global circumferential strain (2-D) (%), mean (range)−23 (−20.9 to −27.8)
Global radial strain (2-D) (%), mean (range)+47 (+35.1 to +59.0)

a2-D = two-dimensional.

.

Pena que a técnica abaixo não vingou na rotina

Doppler Assessment of Stroke Volume

Cardiac stroke volume can be estimated by multiplying the velocity-time integral obtained from Doppler examination of the LV outflow tract by the LV outflow tract area . Doppler examination requires parallel alignment of the pulse-wave beam with the LV outflow tract. Nonparallel beam alignment can result in a reduced LV stroke volume by underestimating the velocity-time integral. Furthermore, this method requires accurate estimation of the LV outflow tract diameter; minor inaccuracies in diameter estimation result in marked errors in the area calculation because of the squaring of the radius.

Mas padece dos mesmos vícios que a estimativa de área valvar na estenose aórtica.

Assessment of LV function remains the most common reason for cardiac imaging because of its powerful ability to predict morbidity and mortality. Current routine methods of quantifying LV function (with LVEF) is not without limitations. Strain imaging that uses speckle tracking in 2-D and 3-D offers promise for quantifying LV function, particularly for patients with borderline LV function, because of the potential to identify subclinical disease. Strain imaging offers the treating physician a unique opportunity to alter management before the onset of overt LV dysfunction, which may, in turn, improve prognosis.

Só o Strain global funciona em tudo

The results of this study showed that GAS ( left ventricular global area strain) derived from 3D‐STI was more accurate and sensitive in responding to myocardial damage than other strain parameters and LVEF in the anthracycline cycle of breast cancer patients. Due to its ability to predict subclinical cardiotoxicity associated with chemotherapy and to guide the early initiation of early cardiac protective therapy in the event of significant heart failure, measurement of GAS still has great prospects for clinical application.

.

Os resultados deste estudo mostraram que o GAS ( Strain de área global do ventrículo esquerdo) derivado de 3D-STI foi mais preciso e sensível na resposta ao dano do miocárdio do que outros parâmetros de Strain e FEVE no ciclo de antraciclina de pacientes com câncer de mama. Devido à sua capacidade de prever cardiotoxicidade subclínica associada à quimioterapia e orientar o início precoce da terapia protetora cardíaca precoce em caso de insuficiência cardíaca significativa, a medição do GAS ainda tem grandes perspectivas de aplicação clínica.

.

https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/echo.14467

.

Uma coisa é certa sobre o estudo da deformação miocárdica.

Tudo mudou com os conceitos de camadas e movimentos de torção.

.

Então analisar um dano muscular ao repouso, com o GLS, responderia apenas a lesões predominantemente do subendocárdio.

Mas sabemos que a lesão do quimioterápico é transmural!

Então só a analise do Strain global pode ser confiável.

.

TEE sem sofrer

Tip: 7.5 x 5.5 x 18.5 mm (0.3 x 0.2 x 0.7 in), WHL Shaft: 5.2 mm (0.2 in) diameter, 88 cm (34.6 in) L

.

Infelizmente as intervenções percutâneas trouxeram de volta os TEE intermináveis, com duração prolongada demais para o objetivo.

.

Acreditamos que o TEE deve ser antecedido por um TTE detalhado e confiável e seguido de um TEE bem focado na pergunta do exame.

.

Mas o 3D TEE estragou tudo com suas imagens fantásticas e suas dimensões tradicionais.

.

Porém, os casos hospitalares de suspeita de Endocardite ainda podem ser avaliados em 3 minutos de sondagem e anestesia local.

.

.

3D Handmade



http://workshop.3decho360.com/

Esta é a grande pergunta que precisa ser respondida por um curso de 3D.

Por que precisamos implantar o 3D na nossa rotina de Ecocardiografia?

Não somos o site adequado para responder esta pergunta.

Após um início empolgante com o 3D, sentimos dificuldade para voar mais alto, longe das válvulas e curiosidades raras.

De fato, esta aula pode responder:

Fully automated 3DE quantitation of cardiac chambers: ready for routine clinical application
Roberto M. Lang (Chicago, US)

Lendo o Livro de 3D

Entender para realizar

3D echocardiography may sound easy but it is not. For effective
application of the technique, echocardiographers need
specific education and training. They have to learn how to
acquire volumetric data sets without artifacts , and navigate
within the data set to visualize the desired cardiac structure
. New functions like cropping, slicing, translating,
rotating and thresholding are available to manipulate the data
sets in order to visualize the cardiac structure of interest

Informação muito importante de quem sabe realizar o exame no 3D

Não se trata de simplesmente substituir os cortes 2D ou obter estes cortes através do 3D.

Tratamos deste tema no blog:

.