Refluxo Mitral é análise inteligente, não é uma simples conta.

https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1002/ehf2.12491

GOOGLE TRANSLATOR= Dois ensaios recentes de reparo transcateter de válvula mitral em pacientes com regurgitação mitral funcional (FMR) apresentaram resultados opostos para o MitraClip® em comparação com a terapia médica isolada. Os resultados conflitantes deram origem a discussões intensivas sobre a avaliação da regurgitação mitral (RM). Um recente ponto de vista editorial forneceu uma explicação potencial, apresentando um novo conceito fisiopatológico. Entretanto, a caracterização ecocardiográfica dos pacientes de ambos os estudos é inconsistente e os conceitos discutidos parecem sofrer de fragilidades de plausibilidade. É bem concebível que as limitações na avaliação ecocardiográfica dos pacientes do estudo tenham introduzido um viés em relação à seleção de pacientes com RM grave (ou menos grave) que pode ser uma explicação mais plausível para as diferenças no desfecho. Aqui ilustramos nosso ponto de vista em relação aos dois ensaios do MitraClip e também ilustramos as dificuldades em avaliar adequadamente a RM funcional. Pode de fato ser “abrir a caixa de Pandora”, mas também tentaremos fornecer uma solução.

Aceita-se que, utilizando a abordagem da área de superfície de isovelocidade proximal popular (PISA) para quantificação da gravidade da RM, o cálculo da EROA e, consecutivamente, também de RV, determinado pelo método PISA, é altamente propenso a erros metodológicos.4, 7-9, 16 , 17 O centro da área do orifício e os PISAs máximos devem ser corretamente visualizados em um plano seccional representativo. Pressupostos matemáticos de uma área de escritórios redondos, uma formação de jato central e PISA simétricos em forma de esfera raramente estão presentes na realidade. Além disso, a regurgitação mitral é dinâmica, o que dificilmente pode ser totalmente caracterizado por um único instantâneo durante o ciclo cardíaco. Apesar dessas limitações, o método PISA foi usado nos dois últimos ensaios para quantificação de RM. Não surpreendentemente, o MITRA-FR apresenta dados conclusivos de RV, enquanto o estudo COAPT não foi capaz de fornecer dados conclusivos usando o método PISA.

.

Artigo enviado por Leandro Becker

.

Mais importante :

A avaliação ecocardiográfica da gravidade da FMR como realizada no COAPT e MITRA-FR não parece ser apropriada para a identificação de pacientes que derivam um efeito terapêutico da terapia percutânea da válvula mitral (um viés de seleção substancial parece provável). O VR calculado nos pacientes com FMR no COAPT parece ser maior que o volume total de ejeção. Com relação às limitações da classificação semiquantitativa da gravidade da RM, incluindo o método 2D-PISA, estudos futuros analisando os efeitos terapêuticos na RSF devem fornecer uma avaliação quantitativa do FR individual.

Strain normal do AE

https://doi.org/10.1093/ehjci/jey018

.

Limitações

First, only half of the patients included in the study were available for LA function analysis indicating that dependency on image quality is one of the main limitations for strain analysis by speckle tracking. Second, the existence of inter-vendor differences in 3D LA volume index and LA SRa was not confirmed by the direct comparison in the same patients. Further study is warranted to investigate the cause of the inter-vendor differences.

Google T = Primeiro, apenas metade dos pacientes incluídos no estudo estava disponível para análise de função do AE, indicando que a dependência da qualidade de imagem é uma das principais limitações para a análise de deformação por rastreamento de speckle. Segundo, a existência de diferenças entre os fornecedores no índice de volume 3D LA e LA SRa não foi confirmada pela comparação direta nos mesmos pacientes. Mais estudos são necessários para investigar a causa das diferenças entre os fornecedores.

Não é questão apenas do tipo de máquina, as imagens são dificeis!!!

Bom senso no Strain

Standardization of left atrial, right ventricular, and right atrial deformation imaging using two-dimensional speckle tracking echocardiography: a consensus document of the EACVI/ASE/Industry Task Force to standardize deformation imaging

https://doi.org/10.1093/ehjci/jey042

This document aims to represent a significant step forward in the collaboration between the scientific societies and the industry since technical specifications of the software packages designed to post-process echocardiographic datasets have been agreed and shared before their actual development. Hopefully, this will lead to more clinically oriented software packages which will be better tailored to clinical needs and will allow industry to save time and resources in their development.

(Google T) Este documento visa representar um avanço significativo na colaboração entre as sociedades científicas e a indústria, uma vez que as especificações técnicas dos pacotes de software projetados para conjuntos de dados ecocardiográficos pós-processamento foram acordadas e compartilhadas antes de seu desenvolvimento real. Espera-se que isso leve a pacotes de software mais clinicamente orientados, que serão mais adequados às necessidades clínicas e permitirão que a indústria economize tempo e recursos em seu desenvolvimento.

.

Traçado sugerido para o AE

Para o VD

Com o tempo, o uso será universal.

Informações do AE, AD e VD ainda não são normas e seus impactos ainda não foram documentados clinicamente de maneira ampla.

.